Do Paleolítico ao Romano


WB00882_.GIF (263 bytes) Paleolítico     WB00882_.GIF (263 bytes) Nelítico e Calcolítico     WB00882_.GIF (263 bytes) Idade do Bronze e do Ferro     WB00882_.GIF (263 bytes) Romano     


PERÍODO ROMANO

Púcaro.A consolidação do domínio Romano no Ocidente Peninsular, durante o Séc. I a.C. , deu origem a um período de significativas transformações na vivência dos habitantes locais, visível no legado arqueológico e no impacto que a presença romana teve ao nível da nossa identidade histórica e cultural. A inserção administrativa do território que hoje constitui a Amadora, no âmbito do Império Romano, enquadra-se na área de influência de Olissipo (actual Lisboa), civitas da província da Lusitânia, constituindo uma zona rural periférica à referida urbe.

prato "Terra Sigillata" Africana (clara C)A existência de uma Villa Romana no lugar da Quinta da Bolacha insere-se neste contexto, sendo um significativo exemplo da presença romana no Município. As estruturas descobertas em escavação, um tanque revestido a opus signinum, com canalização de chumbo e dreno associados, e muros em pedra vã calcária, bem como os materiais recolhidos, não permitem uma interpretação absolutamente conclusiva sobre a que área funcional da villa pertencem estes vestígios. No entanto, a qualidade dos materiais recolhidos, bem como a presença de estuques, indiciam tratar-se de uma zona residencial. O espólio é bastante significativo, destacando-se ao nível cerâmico pratos e taças em Terra Sigillata, tendo também sido recolhidos diversos fragmentos de copos e taças em vidro, moedas em bronze, agulhas em osso, fíbulas e lucernas. No que diz respeito à cronologia de ocupação da villa, a informação disponível aponta de forma consistente para os séculos III e IV d.C., encontrando-se em aberto a provável existência de uma primeira ocupação, datável dos séculos I/II d.C., como parecem indicar os materiais recolhidos em contextos de revolvimento.

Troço do aqueduto De natureza diversa, e constituindo bom exemplo das capacidades da engenharia romana, é o Aqueduto Romano, de que são conhecidos 14 troços, numa extensão aproximada de 1.300 metros. Têm como origem provável a Barragem Romana de Belas(que se situa no limite do Município da Amadora), conhecendo-se o seu percurso até ao bairro da Mina (Amadora). O cálculo aproximado do seu caudal, permitiu concluir que este é semelhante ao aqueduto de Pompeia, sendo admissível que se destinasse ao fornecimento de um aglomerado populacional de ordem de grandeza semelhante, tornando como destino mais provável Barragem romana de Belasa cidade de Olissipo, hipótese que está ainda sem comprovação arqueológica. É constituído por uma base rectangular em opus caementicium, que assenta directamente sobre o terreno. Sobre esta base foram construídas duas paredes, do mesmo material, formando assim uma caleira, que se encontra revestida a opus signinum. Um dos elementos mais importantes detectados foi uma queda de água, com um desnível de cerca 0,70 m, possibilitando uma descida acentuada da cota da caleira sem que fosse necessário alterar a inclinação da mesma.

   Copyright © 2004 ARQA.